0% Completo
0/0 Etapas
  1. Objetivo e metodologia
  2. Textos introdutórios
    5 Assuntos
  3. MATEUS 24:1
    📜 Textos - Mateus 24:1
    3 Assuntos
  4. 🎬 Vídeos - Mateus 24:1
    14 Assuntos
  5. MATEUS 24:2
    📜 Textos - Mateus 24:2
    3 Assuntos
  6. 🎬 Vídeos - Mateus 24:2
    29 Assuntos
  7. MATEUS 24:3
    📜 Textos - Mateus 24:3
    3 Assuntos
  8. Mateus 24:3 | Textos complementares
    3 Assuntos
  9. 🎬 Vídeos - Mateus 24:3
    20 Assuntos
  10. MATEUS 24:4
  11. 📜 Textos - Mateus 24:4
    3 Assuntos
  12. 🎬 Vídeos - Mateus 24:4
    13 Assuntos
  13. MATEUS 24:5
  14. 📜 Textos - Mateus 24:5
    3 Assuntos
  15. 🎬 Vídeos - Mateus 24:5
    10 Assuntos
  16. Mateus 24:6
    4 Assuntos
  17. Mateus 24:7
    3 Assuntos
  18. Mateus 24:8
    3 Assuntos
  19. Mateus 24:9
    4 Assuntos
  20. Mateus 24:10
    3 Assuntos
  21. Mateus 24:11
    3 Assuntos
  22. Mateus 24:12
    4 Assuntos
  23. Mateus 24:13
    3 Assuntos
  24. Mateus 24:14
    3 Assuntos

Participantes 1054

  • 11098305728
  • 3amadeiras
  • abigailacq
  • aca-teixeira
  • acrispgo
Mostrar mais
Sala 7, Assuntos 3
Em andamento

Mt 24:3 | Léon Denis | Os sinais

Sala Progresso
0% Completo

Os sinais 

“Estando ele assentado no Monte das Oliveiras, aproximaram-se dele seus discípulos, em particular, dizendo: ‘Dize-nos quando serão estas coisas e que sinais haverá de tua vinda e da consumação das eras’.”

(Mateus 24:3)

 

1 As letras do Eclesiastes nos advertem que há tempo para tudo: há tempo para plantar e há tempo para colher1. Alertam-nos sobre as vaidades, essas vãs especulações dos valores que ainda necessitam germinar. 

2 Os discípulos questionam Jesus sobre os sinais de sua vinda e do fim ou consumação dos tempos. Quais serão os indícios da vinda do Cristo? Que devemos esperar? Como serão esses tempos? 

3 A ansiedade e o imediatismo fariam perguntas quase análogas às perguntas da prudência. Mas à ansiedade, filha da dúvida pertinaz ou da ausência das bases da confiança no Pai, a resposta será como está descrito no Evangelho: esta geração pede um sinal, e nenhum sinal será dado2, pois não haverá sinais que bastem ao espírito da desconfiança e da descrença vazia. Nada haverá de grandioso que sacie um coração vazio. 

4 Este requererá o tempo justo, pois não se pode colher o que não foi plantado, e o fruto verde não traz a substância e a doçura que nutrem e sustentam. É preciso que se embebede da seiva e se deixe ao cuidado do tempo, da luz, do esforço, dos ramos, da esperança de quem o aguarda. 

5 Bem como a atmosfera anuncia a tempestade ou o Sol com sinais inequívocos aos bons observadores; assim como a lavoura dá os sinais inconfundíveis de seu bom desenvolvimento, prenunciando a qualidade da colheita; ou mesmo o fruto evidencia pela coloração e pelos odores quando se presta ao alimento, assim também a vinda do Cristo se faz prenunciar por sinais. 

6 Se falamos do Cristo-Jesus, o sublime enviado do Pai para se fixar em nosso psiquismo como modelo perfeito de comunhão com o Bem, são inúmeras as profecias que o anunciaram, centenas de anos antes de sua vinda. Não somente as profecias dos eminentes médiuns da primeira revelação, que estão fixadas nas letras bíblicas, mas em inúmeras outras culturas há o aviso grandioso dos novos tempos e da nova ordem. 

7 Se nos referimos ao Cristo interno – a promessa da comunhão com o Pai, a bem-aventurança em forma de gérmen, as virtudes enclausuradas pelo desconhecimento e pela inexperiência -, também obteremos, se atentos o suficiente, um compêndio de sinais da “vinda” e da “consumação dos tempos”. 

8 Galgamos lentamente a experiência humana desde a demonstração, pelo princípio inteligente que éramos, dos sinais primitivos da razão, que alvorece dos automatismos acumulados na milenar trajetória. 

9 Aos poucos, vimos libertando núcleos de virtudes potenciais, que vêm caindo no terreno de nosso coração como as sementes caem na terra, esperançosas da germinação e do crescimento. E, como o Senhor cuida e dá crescimento ao grão minúsculo e frágil que anseia pela proteção do solo e pelo auxílio da chuva e do Sol, o Pai também acaricia as ânsias de perfeição de seus filhos recém-despertos, provendo-lhes de todo o mecanismo mantenedor do progresso incessante. 

10 É por isso que nós, Espíritos confinados nas ordens primárias da escala ascensional, recebemos mais misericórdia do que realmente merecemos, pois a Justiça do Senhor é o equilíbrio mantenedor da ordem e do progresso. 

11 A Providência Divina deixa-nos claros sinais da destinação sublime que nos aguarda. Toda a natureza sinaliza ordem e progresso, desde as mínimas manifestações de vida até os fulgores das constelações. Do átomo ao infinito, tudo testemunha a magnânima misericórdia que rege a Criação. 

12 Estamos destinados à suprema comunhão com a Força Cósmica donde provêm todas as manifestações do Bom e do Belo, a que nossa linguagem limitada chama Deus. Dele procedemos e para Ele voltaremos, depois dos milenares ciclos de aperfeiçoamento. Dentro de cada um de nós, o impulso da evolução, sinalizando o trajeto e o destino. 

13 Homens, meus irmãos, porfiai por adquirir a confiança perfeita nos desígnios do Amoroso Criador da Vida. A sempiterna solicitude, que nos cerca de cariciosos cuidados, demonstra-nos o constante e inarredável auxílio que procede dos altiplanos celestes em nosso favor. O Senhor criou-nos para a plenitude e a harmonia. Impossível desviarmos da rota de vitória onde fomos gentilmente colocados. 

14 Do verme ao anjo esplendoroso, do átomo ao universo luminoso, tudo é poder, perfeição, beleza e amor. O amor é a sinalização da presença do Pai na Criação. Estejamos no amor e, no amor, caminhemos para o Pai, com o Pai, de mãos dadas com nossos irmãos. 

Léon Denis

Médium: Janaína Farias
Equipe mediúnica: portalser.org


1 Ecl 3:1-11

2 Mt 12:38; Lc 11:29-32 ; Mc 8:11-13.

 

BIBLIOGRAFIA

BÍBLIA de Jerusalém. Coordenada por Gilberto da Silva G.; Ivo Storniolo e Ana Flora Anderson. 3 ed. São Paulo: Paulus, 2000.

DIAS, Haroldo Dutra (Trad). O Novo Testamento. Evangelho de João. 1 ed. 2 imp. Brasília: FEB, 2013.


Hide picture